Gardenal: Indicações, Cuidados e Efeitos Colaterais

Gardenal: Indicações, Cuidados e Efeitos Colaterais

4.8 (96.39%) 72 votes

gadernalGardenal: Indicações, Cuidados e Efeitos Colaterais

Gardenal é um medicamento que age no sistema nervoso central, geralmente, utilizado para prevenir o aparecimento de convulsões ou doenças epiléticas.

Também conhecido fenobarbital, Gardenal, pode ser encontrado  na forma de comprimidos ou líquido, em gotas, demorando cerca de 1 hora para ter o efeito desejado no corpo humano.

Como funciona o Gardenal?

como-tomar-gardenalGardenal age no organismo por meio de suas propriedades anticonvulsivantes e também sedativas, diretamente, no sistema nervoso central.

Vale saber que tanto os transtornos que causam convulsões como a epilepsia são pequenos “curto circuitos” que acontecem no corpo humano, principalmente, nos nervos transmissores de movimentos e Gardenal é considerado um dos melhores medicamentos para quem sofre de convulsões.

Devido à sua lipossolubilidade,  Gardenal age, particularmente, no cérebro, porém, também é distribuído por todo organismo, e apenas 78% da dose de Gardenal administrada é absorvida pelo trato gastrintestinal.

Como já foi dito, Gardenal pode ser encontrado em duas formas de vendas nas farmácias de todo o Brasil: comprimidos com 50 mg ou de 100 mg, em na forma líquida, recomendada para crianças.

Não é um medicamento caro, podendo ser encontrado nos valores que variam de R$ 4 até R$ 8, dependendo da farmácia, quantidade de comprimidos, dosagem e também região.

Efeitos Colaterais de Gardenal

efeitos-colateraisComo qualquer medicamento, Gardenal apresenta efeitos colaterais, por isso, é fundamental só tomar o medicamento com indicação médica, estando ciente que poderão surgir algumas reações adversas comuns, dentre elas, podemos citar:

  • Agressividade e agitação, problemas comuns de comportamento;
  • Alteração brusca de humor;
  • Amnésia e dificuldade de atenção;
  • Dificuldades no equilíbrio e coordenação motora;
  • Dificuldades para falar e também acordar;
  • Dores nas articulações;
  • Hepatite (raros casos foram observados);
  • Hipersensibilidade;
  • Náuseas e vômitos;
  • Osteomalacia e raquitismo;
  • Reações alérgicas na pele ou dermatite;
  • Redução da qualidade dos ossos;
  • Síndrome de Lyell’s, síndrome de Steven Johnson, e dermatite esfoliativa (casos raros);
  • Sonolência no período da manhã;
  • Tonturas e dores de cabeça.

Vale saber que não é indicado fazer uso prolongado do medicamento, porém, caso seja recomendado, é preciso que o médico faça um acompanhamento bem de perto, já que o seu consumo durante muito tempo pode causar dependência química, além de outras reações no organismo, dentre elas, as seguintes:

  • Densidade óssea reduzida, alterando a qualidade dos ossos, causando osteoporose e fraturas com mais frequência;
  • Diminuição de alguns elementos celulares no sangue, podendo causar anemia, agranulocitose, neutropenia, leucopenia e trombocitopenia, doenças relacionadas às células presentes na corrente sanguínea;

Contraindicações de Gardenal

contraindicaçõesComo acontece, também, com qualquer medicamento, o uso de Gardenal possui algumas contraindicações. Por isso, é fundamental ficar atento antes de usar o medicamento, converse com seu médico sobre as possíveis contraindicações para saber se esse remédio, realmente, é indicado para você:

  • Pacientes que sofrem de porfiria: doença metabólica que aparece por meio da pele ou problemas neurológicos.
  • Pacientes que tenham insuficiência respiratória severa, hepática e renal não devem utilizar o medicamento.
  • Toda atenção é pouca por parte de pacientes que possuam alergias aos componentes da fórmula ou, mais especificamente, ao barbitúrico, ou que já possuam antecedentes de hipersensibilidades aos componentes.
  • Pacientes que façam uso de Saquinavir ou Ifosfamida não devem tomar Gardenal.
  • Nunca ingerir Gardenal em conjunto com álcool, nem progestogênio (contraceptivo) ou estrógenos.
  • Caso o paciente faça uso de outros medicamentos contínuos, é importante informar ao seu médico, além de todas as outras condições de saúde existentes, principalmente, idosos.
  • Gestantes ou lactantes devem consultar um médico de confiança, antes de iniciar o tratamento.

Vale lembrar que é importante que qualquer medicamento tenha a autorização médica antes de se iniciar um tratamento com o mesmo, até porque, pode não ser indicado para o caso do paciente, e, dessa forma, acabar prejudicando mais do que trazendo benefícios para o organismo.

Posologia de Gardenal: Como tomar?

posologiaÉ preciso seguir corretamente a forma de uso do medicamento, obedecendo as  dosagens de acordo com as indicações do médico responsável. Geralmente, a forma de uso de Gardenal é a seguinte:

Adultos e Crianças

A dose, geralmente, indicada para adultos, é de 2 até 3 mg por dia, que deve ser tomada em dose única ou fracionada. Também deve ser ingerida por meio de via oral com o acompanhamento de um líquido.

O medicamento começa a demonstrar seus efeitos, mais ou menos, 15 dias após seu uso contínuo.

E atenção, no caso de superdosagem do medicamento, podem aparecer sintomas como:

  • Coma;
  • Confusão mental;
  • Dores de cabeça;
  • Náusea;
  • Vômito.

Atenção, se surgir algum dos sintomas acima mostrados, é preciso ir, imediatamente, a  um posto de saúde, ou hospital, mais próximos, onde serão realizados os procedimentos corretos para o tratamento. O recomendado é a monitoração contínua.

Já, no caso de esquecer de tomar Gardenal no horário determinado, o indicado é tomar assim que possível, porém, no caso da dose ser mais próxima da seguinte, escolher ingerir apenas um dos comprimidos.

Em pacientes alcoólatras, idosos e em pessoas com a função renal e hepática comprometida, se deve diminuir a posologia, no caso de pessoas com a função renal e hepática comprometida, é recomendado monitoração clínico-laboratorial, pelo fato de existir risco de  encefalopatia hepática.

Como controlar a Epilepsia?

como-tratar-a-eplepsiaPrimeiramente, vale saber que a Epilepsia nada mais é que um distúrbio do cérebro, no qual as atividades das células nervosas são perturbadas, causando uma atividade excessiva e anormal nas células cerebrais e, assim, gerando crises epilépticas.

Embora a Epilepsia não tenha cura, existem alguns hábitos que podem ser adotados para o controle da doença. Por exemplo, adotando alguns medicamentos, que devem ser indicados pelos médicos neurologistas.

Confira abaixo algumas dicas de hábitos que devem ser incluídos no dia a dia para melhorar os sintomas e diminuição das crises de epilepsia:

  • Procurar seguir uma dieta controlada, principalmente, rica em ômega 3. Procure consultar seu médico sobre quais alimentos devem ser consumidos e quais devem ser evitados;
  • Procurar dormir bem com uma boa noite de sono, com certeza, terá uma maior controle sobre a epilepsia, como, também, poderá evitar muitas outras doenças que podem acometer o organismo;
  • Evite se estressar, sem dúvida, o estresse é um dos principais causadores das convulsões em pacientes com epilepsia.

Leave a Reply