Como saber se estou grávida?

4.6 (92.38%) 21 votes

com-saber-se-estou-gravidaComo saber se estou grávida?

“Será que estou grávida, ou é apenas um atraso? Como saber?” Está passando por isso? Bem, primeiramente, a suspeita de uma gravidez só deve ser considerada em casos de ter havido uma relação sexual desprotegida, esquecimento de pílulas anticoncepcionais e, até mesmo, acidentes com preservativos.

É preciso saber que, muitas vezes, mesmo se tomando as providências para prevenir a gravidez, o aparecimento de alguns sinais acabam levantando a dúvida, mas, então, como saber se, realmente,  está grávida?

Na verdade, tirando o nervosismo e ansiedade, é bem simples saber se está grávida, primeiramente,  vale prestar atenção em alguns sintomas, bem característicos e realizar testes para comprovar se existe, realmente, gravidez.

Ok, a ansiedade e nervosismo podem afetar alguns sintomas ou mascará-los, por isso, vamos lhe ajudar a descobrir se está gravida, primeiro, conferindo alguns dos sintomas mais clássicos, com o passo a passo para que você consiga se autodiagnosticar, já sabendo que são muitos os sinais que podem indicar uma gravidez.

Bom, primeiramente, respire fundo, conte até dez e se acalme, acredite, como já foi dito, o estresse e nervosismo intenso podem fazer com que você desenvolva sintomas que podem lhe confundir com os de uma gravidez, até mesmo o enjoo, dores de cabeça e cólicas. Vamos lá…

Primeiros sintomas

primeiros-sintomasÉ importante saber que as primeiras semanas, após a relação sexual e fecundação do espermatozoide pelo óvulo, são praticamente assintomáticas, ou seja, não aparecem sintoma nenhum. Sendo assim, caso ache ter percebido algum sinal típico de gravidez no dia seguinte após o ato sexual desprotegido, saiba que deve ser apenas nervosismo, já que sinais assim em pouco tempo são quase impossíveis, embora, claro, isso não signifique que não tenha engravidado, apenas os sinais não podem ainda ser percebidos.

O primeiro sinal a ser percebido, geralmente, é um pequeno sangramento vaginal que algumas pessoas podem entender como aparecimento da menstruação. O zigoto só começa a se formar a partir da terceira ou quarta semana após a relação sexual que teve o espermatozoide fecundado.

Ou seja, os sintomas da gravidez só podem aparecer após um mês, mais ou menos, da relação sexual. É claro que isso pode ser diferente, variando de mulher para mulher.

Ao contrário do que muitas mulheres imaginam, as vezes, é possível perceber alguns outros sintomas de gravidez antes mesmo do (clássico) atraso da menstruação, que é um dos sinais mais comuns.

Os sinais mais comuns, que podem ser notados a partir do primeiro mês após a relação sexual estão:

  • Pequeno sangramento vaginal: quando o ovulo é fecundado pode ocorrer um pequeno sangramento vaginal e acontece de ser confundido com a menstruação. Ou seja, você pode achar que a menstruação desceu e, na verdade, ser só esse sangramento…portanto, cuidado!
  • Náuseas e vômitos: é raro esses sintomas não surgirem durante uma gravidez, cerca de 75% das mulheres sentem enjoos ou azia desde as primeiras semanas até os três primeiros meses de gravidez.
  • Tonturas: também muito comum, essas tonturas acontecem porque os hormônios da gravidez alteram drasticamente o organismo da mulher, o que pode provocar reduções de açúcar no sangue, anemia e aumento da frequência respiratória.
  • Cansaço e sono excessivo: outros sintomas clássicos, essa sensação de fadiga pode aparecer desde a primeira semana de gestação, na verdade, nada mais é que o corpo enviando um sinal de que precisa descansar com mais frequência.
  • Aumento dos seios e dores nas mamas: também é bem clássico, é comum haver um inchaço nas mamas, que costuma surgir a partir da segunda semana de gestação.
  • Cólicas: conforme a gravidez vai avançando, é comum aparecerem sensações de inchaço e dores abdominais.

Mas, calma, caso tenha percebido algum ou todos os sintomas, mesmo assim, é fundamental manter a calma, pois, muitas vezes, o próprio psicológico da mulher acaba fazendo com que ela sinta alguns dos sintomas, e isso por questões somente emocionais, como nos casos de gravidez psicológica. É como se a culpa, ou medo, fossem tantos, que o organismo passa a ter reações semelhantes.

Diagnosticando a gravidez

Diagnosticando-a-gravidezPara poder se certificar e poder excluir, completamente, a possibilidade de estar grávida, vale apostar em alguns procedimentos iniciais e questões respondidas que, com certeza, vão lhe ajudar a analisar a real possibilidade de uma gravidez, eliminando, de vez, a dúvida cruel.

Muitas mulheres acabam se acostumando a conviver com a possibilidade de uma gravidez indesejada, as voltas com testes e exames, e isso porque tiveram relações pouco protegidas, aquelas baseadas no período fértil (método da tabelinha) ou esqueceram um dia de tomar pílula anticoncepcional, mas tomou alguma pílula atrasada, entre várias outras possibilidades.

Confira abaixo algumas situações que podem resultar em gravidez:

  • Manter relações sexuais sem usar preservativos;
  • Estourar a camisinha durante a relação;
  • Não utilizar a técnica do coito interrompido;
  • Esquecer de tomar a pílula anticoncepcional ou a tomar com um dia de atraso, durante o período fértil;
  • Não realizar mais nenhuma técnica contraceptiva;
  • Não tomar a pílula do dia seguinte após a relação desprotegida;
  • Tomar a pílula do dia seguinte, mas após 72 horas da relação desprotegida.

Se encaixa em alguma dessas situações acima? Então, você corre o risco de, realmente, ter engravidado.

Para se certificar, a dica é não apostar em nenhum teste de gravidez caseiro, pois podem lhe passar a falsa ideia de não estar grávida, já que eles não têm eficácia comprovada. Portanto, para saber, ao certo, é preciso consultar um ginecologista ou investir em um teste químico.

Uma boa opção é fazer um teste de farmácia ou, simplesmente, pedir para fazer um teste de gravidez no posto de saúde mais próximo, ele é gratuito, geralmente, é feito teste de urina que demora uma semana para sair o resultado.

Testes de Farmácia

teste-de-gravidezSem dúvida, a forma mais rápida de saber se está grávida, é através de um dos muitos testes de farmácia, que podem detectar o hormônio da gravidez na urina, com a vantagem de serem rápidos e acessíveis, e o melhor, são confiáveis, tendo uma margem de acerto entre 70 a 95%.

Tipos de testes de farmácia

  • Digitais: o aparelho digital mede a porcentagem de hormônio da gravidez, através da urina, indicando as semanas de gestação, em caso de gravidez.
  • Tiras: esse método também analisa a porcentagem de hormônio na urina, embora com uma taxa de confiabilidade menor do que os digitais. A presença de uma tira significa que a mulher não está grávida e duas tiras aponta a gravidez.

Exame de urina em postos de saúde

Nos postos de saúde, a mulher é encaminhada para um exame de urina, já que os exames de sangue necessitam de prescrição médica. A urina será analisada, e detectará a presença ou não do hormônio da gravidez, Hcg (gonadotrofina coriônica humana), que é uma substância que começa a ser produzida pela mulher no momento em que o embrião é implementado no útero.

Exame de sangue

Já quem preferir fazer o exame de sangue, também conhecido como Beta hCG, ele é o teste com resultado definitivo. Esse exame tanto pode detectar a presença ou não de gravidez, quanto pode revelar a quantidade do hormônio no sangue da mulher, e é importante saber que só pode ser feito com prescrição médica.

Se está muito preocupada e seriamente desconfiada, a dica, portanto, é fazer um exame de sangue que, sem dúvida, é a forma mais certeira de identificar a gravidez, pois não apresenta chances de erro.

Mas, o fundamental é ter em mente que, caso não se queira engravidar, é preciso que a mesma seja evitada da forma correta, prevenindo, através das muitas formas de prevenção.

A dica é consultar um ginecologista para que o mesmo possa lhe explicar sobre cada um dos métodos contraceptivos existentes.

Nunca se esqueça de usar camisinha, pois, além de evitar uma possível gravidez indesejada, também estará se protegendo das muitas doenças sexualmente transmissíveis.

Leave a Reply