O que é hipogonadismo masculino

Existem diversas doenças e condições físicas que podemos não conhecer, até que um dia, acontecem conosco ou com alguém próximo. Um desses problemas pouco conhecidos é o hipogonadismo masculino.

Para quem não sabe, o hipogonadismo é uma doença ocasionada por um problema nas gônadas, ou seja, nos testículos dos homens ou nos ovários das mulheres.

Quando ela ocorre, esses órgãos não produzem adequadamente os hormônios sexuais necessários, tais como a testosterona para homens e o estrogênio para mulheres.

Mais do que isso, além da baixa ou nula produção hormonal, a produção de espermatozoides também pode ficar comprometida.

Infelizmente esse é um problema que não tem cura, mas depois de feito o diagnóstico, é possível determinar diferentes tratamentos, dependendo do fator causador.

Quando ocorre durante a puberdade, os órgãos sexuais masculinos podem não de desenvolver, visto que os hormônios sexuais são essenciais para isso.

Então, se você quer saber um pouco mais sobre essa condição, seus sintomas, causas e tratamentos, continue lendo e descubra tudo o que você precisa saber sobre esse assunto a seguir. Vamos lá?!

Hipogonadismo hipogonadotrófico

Hipogonadismo hipogonadotróficoEm primeiro lugar, é importante começar esclarecendo que as gônadas têm o seu funcionamento dependendo do comando de uma outra glândula, que se chama hipófise.

A hipófise, no entanto, fica no cérebro e é a responsável pela produção dos hormônios FSH e LH, responsáveis pelo funcionamento dos ovários e testículos.

Dessa forma é que podemos distinguir os dois diferentes tipos de hipogonadismo.

Isso quer dizer que, quando o hipogonadismo acontece por algum problema das gônadas, que por isso param a apresentar deficiência na produção de hormônios, podemos chamar o quadro de hipogonadismo primário ou hipogonadismo hipergonadotrófico.

Diferentemente disso, o problema também pode se originar na hipófise, que leva ao mal funcionamento das gônadas. Nesse caso, temos um quadro e hipogonadismo secundário ou hipogonadismo hipogonadotrófico.

Mais do que isso, ainda é possível diferenciar os tipos de hipogonadismo de acordo com o período em que surgem.

Isso porque em determinados casos, o hipogonadismo é congênito, ou seja, o indivíduo já nasceu com essa condição. No entanto, também podemos ter o hipogonadismo adquirido, que é quando o problema se desenvolve no decorrer da vida.

Hipogonadismo causas

Como já foi dito até agora, o hipogonadismo pode ter uma grande variedade de causas, ou seja, fatores que afetam o funcionamento das gônadas ou da hipófise, causando o hipogonadismo.

No entanto, quando surge em homens adultos, a causa mais comum para isso é a obesidade, que tem uma influencia bastante negativa na função dos testículos e da hipófise.

Mais do que isso, a ocorrência de traumas, como batidas, nos testículos também pode ser uma causa par ao hipogonadismo.

O uso de determinados medicamentos lícitos, tais como drogas que contenham opioides e os quimioterápicos, e outros ilícitos também podem levar a uma alteração no funcionamento das gônadas.

Outros distúrbios de origem hormonal, tal como o hipertireoidismo, quando não é tratado corretamente, podem ocasionar o hipogonadismo.

Já em relação às doenças genéticas, que são congênitas, podemos citar a síndrome de Klinefelter como uma das causas mais comuns para o hipogonadismo em homens.

No entanto, as possíveis causas para o hipogonadismo masculino não param por aí e podem ser bem variadas, veja:

  • Hemocromatose: essa doença faz com que o próprio organismo passe a depositar o mineral ferro nos tecidos. Isso pode causar danos às gônadas e também à hipófise.
  • Doenças autoimunes: nesse tipo de patologia, o próprio sistema de defesa do organismo se ataca. Nesse caso, os ovários ou os testículos podem acabar sofrendo o ataque também.
  • Tumores na hipófise, síndrome de Kallman, HIV e até mesmo outras doenças crônicas podem ser causa do hipogonadismo.
  • Tratamentos com radiação ou procedimentos cirúrgicos: procedimentos cirúrgicos e o tratamento com radiação, quando realizados em locais próximos aos testículos ou hipófise, podem alterar a função das gônadas.

Vale lembrar ainda que o pacientes com histórico familiar de qualquer um desses quadros citados também podem desenvolver o hipogonadismo. Por isso, o mais importante é sempre procurar por avaliação especializada para um bom diagnóstico e tratamento.

Hipogonadismo sintomas

O hipogonadismo, como já foi dito, pode ter várias causas. Por isso, os sintomas podem ser variados, de acordo com o fator causador. No entanto, os principais sintomas decorrentes de um quadro de hipogonadismo masculino são os seguintes:

  • Dificuldade de ereção
  • Diminuição ou ausência de crescimento dos pelos corporais, tais como pelos pubianos, nas axilas e barba
  • Redução na produção do esperma
  • Problemas de fertilidade, apresentando maior dificuldade de fecundar a parceira
  • Maior falta de energia e muita sensação de desânimo
  • Aumento da gordura abdominal
  • Diminuição da massa magra
  • Diminuição ou ausência da frequência e intensidade de ereções matinais
  • Irritabilidade.

Outro sintoma muito frequente e que gera muitas queixas, é a diminuição ou ausência da libido, que leva ao desinteresse sexual.

Hipogonadismo feminino

Hipogonadismo femininoAssim como foi dito anteriormente, o hipogonadismo feminino se caracteriza por um problema nas gônadas da mulher, que no caso, são os ovários, ao passo que nos homens são os testículos.

Tal como acontece no hipogonadismo masculino, a doença na mulher também pode ser classificada de acordo com o que causa. Isso quer dizer que se o hipogonadismo ocorre por algum problema diretamente relacionado aos ovários, temos o hipogonadismo primário ou hipergonadotrófico.

Por outro lado, se ocorre em consequência de algum problema na hipófise, temos o hipogonadismo hipogonadotrófico ou secundário.

Nesses casos, uma das principais causas mais comuns em pacientes do sexo feminino é a síndrome de Turner. No entanto, existem outras causas que podem levar ao surgimento do problema, tais como:

  • Emagrecimento constante, especialmente em mulheres que são atletas
  • Doenças autoimunes
  • Hemocromatose
  • Tratamentos de radiação ou procedimentos cirúrgicos

Como já foi explicado, o hipogonadismo masculino ou feminino não tem cura. Porém é sempre muito importante descobrir o que está causando o problema para que seja possível avaliar qual o melhor tratamento para a diminuição dos sintomas e a recuperação de uma vida sexual normal.

Tratamento Hipogonandismo

Como o hipogonadismo masculino e o feminino podem ter causas bem variadas. Por isso, os tratamentos também são variados, específicos para tratar o problema causador.

No caso de um tumor na hipófise, por exemplo, o tratamento indicado pode ser uma cirurgia para a retirada do mesmo ou também o uso de medicamentos, no caso de tumores que são produtores de prolactina.

Já no caso de doenças autoimunes ou traumas no testículo, quando o hipogonadismo masculino não é tratável, o mais indicado é instaurar uma terapia de reposição hormonal. Assim, os hormônios serão repostos no organismo por meio de comprimidos, ou seja, drogas sintéticas com testosterona para homens e progesterona e estradiol para mulheres.

Pode ocorrer também de o problema do hipogonadismo masculino ter surgido por causa de uma lesão na hipófise, como acontece no caso de pós-radioterapia.

Nesse caso, pode ser recomendado algum tipo de tratamento que atua na estimulação da função testicular.

Remédios

Na maioria das vezes, os remédios utilizados para o tratamento do hipogonadismo masculino e feminino possuem moléculas que são iguais ou muito semelhantes aos FSH E LH, produzidos naturalmente por um organismo saudável.

Dentre os medicamentos mais comuns para o tratamento do hipogonadismo masculino, podemos citar o Durateston e o Deposteron.

Embora esses sejam os mais comuns, eles não são os únicos e somente um médico poderá determinar o melhor tratamento para cada paciente, analisando histórico familiar, causas do problema e outras condições médicas.

Vale lembrar ainda que você nunca deve se automedicar, visto que isso pode ter efeitos nocivos e inadequados.

Pronto, agora você já sabe um pouco mais sobre o hipogonadismo masculino, cura, tratamentos, causas e muitos outros detalhes importantes. Aproveite essas dicas e boa sorte!

Leave a Reply